OLÁ....SEJAM BEM VINDOS!!!!!...

Queridos professores, alunos, amigos, visitantes e parceiros profissionais..

Este Blog é composto de vários tipos de textos, dentre eles: Textos Pessoais, científicos, religiosos e textos históricos.

MATÉRIAS COMENTADAS: Psicopedagogia, filosofia, teologia, sociologia, educação, cultura, lazer, diversão, pensamentos, reflexões, dicas de beleza, receitas.......e meus monólogos.......

UMA VISÃO CRÍTICA DA REALIDADE...

Este Blog espera ser um espaço de liberdade de expressão para todos os admiradores e que acompanham o desenvolvimento da educação no Brasil. Aqui discutiremos, constantemente como os povos e sociedades ao longo de toda a história da humanidade, lutam em busca de melhorias na educação, enfim, ambiente de conversas sobre usos dos novos meios de informação e comunicação em educação.
Espero ansiosa suas colaborações e acima de tudo sua criticidade objetiva.
Ressaltando que, alguns textos e imagens aqui postados não são de minha autoria, se são seus, ou se você conhece autoria, entre em contato que ficarei feliz em dar os devidos créditos.
A leitura e a reescrita das temáticas sugeridas neste blog, serão para todos nós instrumentos de avaliação, onde educador e educando se relacionarão, e aperfeiçoarão seus conhecimentos e experiências cognitivas.

Entre e fique a vontade.
Boa navegação e pesquisa.

Psicopedagoga : Maria Maura

Contato:
marimaura@hotmail.com
marimaura@gmail.com




sábado, 16 de maio de 2009

Os múltiplos olhares pedagógicos

Os múltiplos olhares pedagógicos





Atualmente, a Escola tem a missão de educar a todos sem exclusão. Num contexto educacional diversificado que exigem cada vez mais do (a) Professor (a). Um trabalho sobre-humano que não pode mais ser desenvolvido de forma individual, mas em equipe de forma inter trans-disciplinar e multidimensional conforme sugere a proposta do Projeto Recreação e Cidadania com a Inclusão Escolar e Social.
Uma das maiores preocupações dos (as) Professores (as) no contexto diz respeito há inclusão de alunos (as) especiais no sistema regular de ensino. Assim, surge-se a revisão dos conhecimentos, do saber fazer, as habilidades e as competências necessárias para as práticas pedagógicas. Para isso precisam investigar, descobrir a natureza desses saberes para que possam favorecer a aprendizagem e o desenvolvimento da cidadania pró-ativa. Rever as teorias científicas, de modo que sirvam de fundamentação ao seu trabalho no intuito de adaptar e reformular as práticas pedagógicas na escola.
Sendo assim, o (a) Professor precisa buscar cada vez mais conhecimentos específicos, recursos e capacitação para auxiliar na sua prática. A prática pedagógica gera conhecimentos, portanto por meio desse estudo de caso se percebe e analisa o processo de construção e re-significação dos saberes com a Inclusão Escolar e Social.
Na investigação as variáveis conceptuais são definidas, conforme segue: a escola, alunos, as vivencias; a Comunidade; a equipe de trabalho; a Inclusão escolar e Social; os Saberes; a Gestão; o Projeto Recreação e Cidadania; a Educação de Qualidade; a Educação Emancipadora, a Educação Social e o Perfil do Professor. O estudo avalia a prática pedagógica, mas o Professor (a) é o ator principal neste cenário.

A escola: a sua função social é muito importante.
Trata-se de uma instituição que tem como objetivo preparar os (as) alunos (as) para participar da vida ativa na sociedade. A sua proposta trabalhada de forma alternativa e interativa no contexto estimula, motiva e oportuniza o acesso às informações e aos conhecimentos adaptando-as nas atividades da escola. Um elemento importante nas planilhas das atividades desenvolvidas com o Projeto Recreação e Cidadania e a inclusão escolar e social. Nessa perspectiva a instituição deve acompanhar o desenvolvimento dos (as) alunos (as) de forma saudável para que possam se humanizar e emancipar para uma cultura de paz conforme os objetivos previamente organizados e analisados posteriormente.

O (a) aluno (a): os (as) alunos (as) são agentes ativos, cuja função é a de difundir as informações e os conhecimentos adquiridos por meio das atitudes e de um comportamento condizente. No intuito de demonstrar as vivencias e informar a escola sobre os efeitos das ações com a inclusão escolar e social. Deste modo contribuem para criar e desenvolver um ambiente favorável às relações escolares e sociais saudáveis.




As vivencias: são entidades físicas sobre as quais atuam os (as) alunos (as) e Professores (as) no processo de ensino aprendizagem, fazendo analises e registros. A partir das anotações no diário de campo, as planilhas organizadas no planejamento tornam possível acompanhar a evolução da aprendizagem e da cidadania pró-ativa. Sendo estas informações valiosas para acompanhar o desenvolvimento do projeto.






Comunidade: é uma unidade social com historia e evolução. Constitui-se por um grupo de indivíduos que residem em um território específico. Compartilham do mesmo tempo e espaço geográfico com um determinado grau de interação. A este modelo integram as famílias e as suas vivencias relacionadas à escola. Nessa perspectiva se pretende ampliar o acesso às informações e aos conhecimentos para que participem ativamente, tomando decisões e elaborando ações para a inclusão escolar e social.




Equipe de trabalho: trata-se da parte efetiva da escola, que são os (as) Professores (as), funcionários (as) e a equipe administrativa. Por meio dela é que se acompanhará a evolução dos (as) alunos (as) no projeto. Os integrantes da equipe devem conhecer o programa e a função de cada um, estabelecendo normas e o circuito da informação. De modo que se organize o trabalho e se obtenha bons resultados.

As Práticas Pedagógicas segundo Gauthier (1998) são entendidas como a fonte geradora dos saberes experienciais, que se desenvolvem pela interação e como meio para obter bons resultados no processo de ensino aprendizagem. Para Perrenoud[26]as práticas pedagógicas coexistem no sistema. Na mesma disciplina e algumas vezes no mesmo estabelecimento de ensino. Desse modo avançam sobre o espaço e o tempo com sucesso ou fracasso. Esses saberes quando públicos tornam-se saberes pedagógicos e formam o repertório de conhecimentos para auxiliar o ofício do Professor (a).
A Inclusao Social[27]é uma ação que combate a exclusão social geralmente ligada a pessoas de classe social, nível educacional, portadoras de deficiência física, idosas ou minorias raciais entre outras que não têm acesso a várias oportunidades. A Inclusão Social é uma proposta que visa oferecer a todos oportunidades de participação e interação social dentro de um sistema que os beneficie e não apenas a uma camada específica da sociedade. Trata-se de um movimento global que vai além das Leis. No intuito de minimizar as diferenças pessoais. Oportunizar o acesso de todos ao sistema.

A inclusão escolar se dá na escola, a inclusao social atua e interage em todas as areas e setores. A proposta se contrapõe a política neoliberal que favorece apenas aos países capitalistas, ocasionando a dependencia dos países subdesenvolvidos e em desenvolvimento, pois percebe o homem como um ser integral, que precisa desenvolver-se em todos os aspectos. Fundamenta-se na Declaração Universal dos Direitos Humanos[28]Contempla a "Educação para Todos", uma proposta iniciada em Jontiem (1990) na Tailandia e Salamanca (1994) e outros movimentos subsequentes. Segundo Torres (2001) o movimento garantiu a necessidade de aprendizagem básica no mundo. Influenciou a elaboração e a execução das politicas mundiais e nacionais em educação pautadas nas metas da alfabetização e da escolarização universal.

A Proposta de Inclusão Social extende-se a todos os setores sociais. Não se restringe apenas a escola, trata-se de uma Política que visa atender as pessoas e os seus interesses. No intuito de contemplar as suas potencialidades e necessidades para que possam aprender, aprender a fazer, a viver, a conviver e a realizar os seus sonhos.




Os Saberes: trata-se de um conjunto de informações e conhecimentos; habilidades e competências; elaborados pelo ser humano para viver e conviver melhor. Segundo Tardif (2000) os saberes do (a) Professor se constituem no conjunto de habilidades, competências e conhecimentos construídos por eles, de modo que possam desempenhar as suas funções sociais. Para Paulo Freire (1987)[29] o homem é um ser histórico, em permanente busca do saber, que busca aprender sempre. Assim, todos os saberes são importantes, pois o homem se faz na ação, na reflexão e na transformação.

A Gestão por Competências: não se trata apenas de uma forma de administrar a sala de aula e a escola. Constitui-se numa filosofia de vida, numa maneira de desenvolver os talentos individuais e coletivos. A sua gestão desenvolve saberes, organiza e orienta os (as) alunos (as) e Professores (as) por meio de temas, ações e atividades educativas no intuito de alcançar as metas e os objetivos. Os estudos de Daniel Goleman (1997) sobre a Inteligência Emocional comprovam que profissionais bem sucedidos são os que possuem um QE - Quociente Emocional mais apurado, pois se destacam pela sociabilidade e pela auto-motivação. Enquanto que o QI, o - Quociente de Inteligência mede apenas a capacidade, as habilidades técnicas do indivíduo.

O Projeto Recreação e Cidadania: se definem como uma proposta de trabalho em equipe, uma forma de gestão por competências, um caminho seguro para trabalhar o processo de ensino aprendizagem e desenvolver a cidadania pró-ativa. Trata-se de um conjunto de métodos e técnicas, desenvolvidos em equipe num processo concomitante entre alunos (as), Professores (as), a comunidade, outros programas e projetos na sala de aula, nos ambientes de recreação, nas oficinas com a Inclusão Escolar e Social.




O projeto desenvolve-se por meio de temas, ações e atividades educativas. Contempla o ser e o ter nas áreas cognitiva, afetiva e psicomotora numa perspectiva ética, estética e inclusiva. Num trabalho realizado em equipe, coordenado pela Educadora Especial, no qual cada Professor atua na sua sala de aula de acordo com as suas convicções. Nesse contexto, a Educadora Especial faz a gestão da Inclusão Social por meio de um planejamento flexível, num trabalho alternativo e interativo. Organizado no inicio do ano para atender alunos (as) e Professores (as) de forma individual e coletiva. No qual trabalham as potencialidades e as dificuldades, mas quando necessário, canaliza-se para outros atendimentos especializados.

A Educação de Qualidade: implica em muitos fatores, visa os principios e os valores para a ética. Trabalha a humanização, a formação para a cidadania pró-ativa, por meio do dialogo, do acesso as informações e aos conhecimentos no intuito de emancipar as pessoas. Oferece estimulos, motivadores e oportunidades para que todos possam participar desse processo. A educação de qualidade requer uma gestão que possa "desenvolver seres humanos intelectualmente, ajustados emocionalmente, capazes tecnicamente e ricos de caráter". (Ferreira, 2000) Pessoas capazes de participar da vida cidada com autonomia, com principios de justiça e responsabilidade social.
A Educação Emancipadora: caracteriza-se como a pedagogia que busca uma Educação Social de qualidade. Em favor dos oprimidos pelo sistema, na busca de uma nova Paidéia[30]Essa educação requer aprendizagem, formação política e cultural. Oportunidades de participação nas decisões da escola e da comunidade. Busca a efetivação dos Direitos e uma escola que articule os saberes com a sociedade.
A Teoria de Paulo Freire (1973) fundamenta a Educação Emancipadora e resgata a ética emancipatória quando trabalha concomitantemente os princípios e os valores. Sendo esta a base da unidade dos saberes e das práticas pedagógicas, que devem orientar as Políticas Públicas Inclusivas a desenvolver a Educação Social.


A Educação Social: é o resultado do processo desenvolvido com as Políticas Públicas Inclusivas de forma contextualizada. Trata-se da nova visão da Educação, com metas e objetivos para promover a Inclusão Escolar e Social de todos ao sistema. Uma Proposta atual, desenvolvida de forma inter, transdisciplinar e multidimensional que trabalha a educação de forma alternativa e interativa. Fundamenta-se na Educação para Todos, no Estatuto da Criança e do Adolescente. Priorizam o atendimento as demandas da população excluída para minimizar a pobreza e construir uma sociedade mais justa. Oportunizam o acesso à educação básica e complementar as crianças e demais pessoas em situação de abandono, negligência e violência. No intuito de reintegrá-las a sociedade para conviver num cenário de aprendizagem e responsabilização social.





O Perfil do (a) Professor (a): envolve o ser integral. No Brasil, o perfil do (a) Professor (a) é de um profissional jovem, em busca de formação superior, que raramente exerce uma atividade paralela ao magistério e acumula, no mínimo, seis anos de prática em sala de aula. Segundo pesquisa realizada em 1999 pelo MEC/SAEB e o Censo Escolar 2000. Em constante progressão numérica, a categoria ainda enfrenta problemas, entre os quais fortes oscilações no que diz respeito à sua formação acadêmica e aos baixos salários.[32] Um profissional que busca oportunidades de qualificação nos Cursos de Mestrado e Doutorado, mas dificilmente encontram acesso.



O Resgate Histórico

A Educação formal sistematizada no Brasil inicia-se com a vinda dos colonizadores e a chegada dos Padres Jesuítas ao Brasil. Caracteriza-se como um encontro dos povos nativos com os povos latinos. "O mundo dos conquistados e o mundo dos conquistadores" (Sander 2005, p. 93) [33]Nessa época, percebe-se que já se inicia o processo inclusivo. Europeus empobrecidos vêm para substituir o negro nas lavouras de café. No intuito de colonizar para Ser um cidadão ativo e comercializar para Ter a oportunidade de viver com dignidaade e garantir a sobrevivência dos povos.

Na globalatinização, o filósofo Jacques Derrida (1930 – 2004). Criador do método filosófico chamado desconstrução. Aborda a ética e a solidariedade, enfatiza a presença dos imigrantes no âmbito do estado nação. Segundo Cogo (2002)[34] no método o autor aponta o transplante de conhecimentos, de valores, práticas sociais e educacionais na Europa e no Brasil. Mediante uma Política de Educação Pública confessional iniciada pelos missionários da Companhia de Jesus, os transmissores naturais da cultura latina. Dessa forma, o nativo cedeu o seu lugar de direito a outros povos que vem implantando gradativamente um ensino elitizado até os dias de hoje.
Vive-se na América Latina, graças ao processo inclusivo, somos contemplados pelo Acordo do Mercosul [35]que avança concomitantemente nos aspectos políticos, educacionais e socioeconômicos conforme o Decreto 5518[36]em vigor. O Mercosul por meio de acordos a parcerias permite avançar na formação continuada dos (as) Professores (as). Deste modo torna possível aprimorar os conhecimentos nos cursos de Mestrado e Doutorado oportunizados pelas Instituições Educacionais vinculadas. No entanto, para avaliar a prática do profissional e delinear o perfil do (a) Professor (a), foi preciso compreender há temática da globalização, a inclusão escolar e social para perceber a evolução da educação ao longo dos tempos, pois as transformações políticas econômicas e sociais refletem-se na escola e no contexto como um todo.
A educação do novo milênio aponta a escola, como uma instituição voltada para o desenvolvimento da cidadania desde a infância. Num sistema que exige a participação constante da família e da comunidade Deste modo, "os sistemas extrafamiliares começam a influenciar significativamente na vida do ser humano." (Oliveira 2004, p.77) No contexto, os investimentos na formação da cidadania tornam-se cada vez mais necessários, devido à carência de humanização e emancipação no ser humano. Princípios e valores que a escola trabalha, oportunizando melhorias na comunidade.
A conquista da Cidadania reporta-se a Declaração dos Direitos do Homem e do Cidadão. Originada no processo da Revolução Francesa no século XVIII "quando a burguesia, ao desalojar a aristocracia, conquista o poder político, substituem o monsieur do antigo regime pelo cotoyen da republica." (Buffa 1991, p.11) Um processo histórico que evoluiu ao longo do tempo e apresenta como resultado a Inclusão Social.
Vive-se a globalização, num sincretismo que integra e separa saberes de acordo com os interesses. Nessa perspectiva, as ferramentas educacionais tornam-se cada vez mais coletivas, socializadas. Os saberes universais desenvolvem-se em redes e devem ser compartilhados, assim como o capital, os salários e as oportunidades inclusivas. A proposta de Inclusão social procura dar acesso aos saberes no intuito de compartilhá-los, para minimizar as diferenças e melhorar a qualidade de vida entre os seres humanos.
Uma teoria que reporta às idéias de Marx, quando afirma que, a base técnica ao atingir um grau de desenvolvimento "entra em conflito com as necessidades da produção que ela mesma havia criado." (Marx 1977, p.266) Isso significa que o controle do processo do trabalho é do trabalhador, assim como a subordinação do trabalho ao capital tem os seus limites, que precisam ser ajustados. Sendo assim, as regras sociais precisam ser organizadas em forma de Leis para garantir a ordem e o sistema, devido à urbanização crescente e o distanciamento do homem da natureza.


Estudioso da Complexidade, Morin (2003) afirma que: "a realidade global não deve ser ocultada, as disciplinas devem ser integradas." [37]No intuito de instigar o (a) aluno (a) a vincular os saberes com a sua aplicabilidade. No entanto, é preciso distingui-las e não separá-las. Reconhecer os fenômenos multidimensionais, respeitar as diferenças, substituindo o pensamento que separa pelo que distingue e é capaz de unir.


O mundo desenvolve-se pela evolução do pensamento, o que implica na reforma do pensar e nas suas conseqüências existenciais, éticas, cívicas e democráticas. Nesse contexto, Morin (2003) salienta a necessidade de preparar profissionais na educação e outras áreas que se interessam pelas aspirações e pelos sonhos dos (as) alunos. Pessoas que estejam dispostas a participar desta reforma educacional. No intuito de contribuir com a humanização e a emancipação. Na atualidade as suas idéias vêm sendo difundidas e desempenham um papel relevante no contexto Educacional e na Ética.

A LDB - Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional e os PCN - Parâmetros Curriculares Nacionais fazem uma crítica ferrenha ao ensino fundamentado apenas no conteúdo. Recomendam que se favoreça o desenvolvimento das habilidades e das competências para instigar a criatividade, à aprendizagem e a socialização. Em seu artigo "Cabeça bem feita versus Cabeça Cheia", o Professor Jenner Barretto Bastos Filho, faz a seguinte afirmação: "Não se pode esperar que, apenas com isso, venhamos a desenvolver habilidades e competências e preparar o cidadão para enfrentar situações em relação às quais ele não tenha sido especificamente preparado."[38]. É preciso que se favoreça o desenvolvimento da aprendizagem e da cidadania pró-ativa por meio das vivencias em pessoas capazes de promover o bem comum.
A educação tem o compromisso de instigar a pensar, para que as pessoas tomem atitudes coerentes. Para isso o (a) Professor (a) requer de um preparo específico para conduzir os (as) alunos (as) a humanização e a emancipação. Percebe-se que quando se estimula apenas o fazer, sem desenvolver as habilidades e as competências do saber na gestão das competências o resultado transforma-se num grande desastre. Favorece a manutenção da alienação e da ignorância. Conduz a inconseqüência, enquanto que a sabedoria nos leva ao aprimoramento, a humildade, ao equilíbrio e ao discernimento.
Psicopedagoga/ Maura

Nenhum comentário: